sábado, julho 20, 2024
sábado, julho 20, 2024

Falta muito para o aporte? Como destacar sua startup para os investidores

*Por Diogo Catão, CEO da Dome Ventures

Preparar uma startup para receber investimentos exige um conjunto de atividades. A definição da estratégia e de um modelo de negócio consistente, a boa governança corporativa e a presença no meio digital são algumas prioridades. Mas o principal é desenvolver um produto que solucione uma dor latente no mercado, uma demanda normalmente negligenciada pelos potenciais competidores em um setor de grandes dimensões.

Quando falamos em mercado a nível nacional, por exemplo, isso é bastante atrativo para uma venture capital e investidores-anjos realizarem aportes. Se esse for o caso, é importante ir validando os resultados com os primeiros clientes. Assim, a marca vai crescendo e aumentando o faturamento, conforme vai ganhando tração com os novos parceiros. É imprescindível ter a capacidade de replicar e escalar os processos cada vez mais rápido.

Já a boa governança corporativa contribui para transmitir uma imagem positiva do empreendimento. Promover transparência financeira, controles internos adequados e manter uma postura de credibilidade, divulgando os processos, as experiências e a reputação do portfólio de clientes são dicas para garantir visibilidade e autoridade para o negócio.

Outro ponto importante é a gestão dos investimentos, que requer muita organização. É necessário estabelecer metas em longo prazo, monitorar regularmente o desempenho do que foi investido e adotar práticas sólidas para fiscalizar se os gastos estão dentro das rubricas adequadas, conforme foi exibido no planejamento. Também é preciso manter uma reserva financeira para lidar com os possíveis riscos, o que ocorre bastante quando falamos de startups em níveis iniciais.

Etapas de investimentos em startups

Presença marcante no mundo dos investimentos em startups, os aportes series A e B ocorrem em momentos diferentes do ciclo de vida de uma companhia inovadora. O series A, por exemplo, é normalmente a primeira rodada de investimento de risco depois da fase inicial com o investidor-anjo, pré-seed, seed money etc. Essa rodada geralmente é utilizada para financiar o desenvolvimento do produto, contratar profissionais e aumentar a base de clientes. É a primeira etapa.

Já o aporte series B ocorre quando a empresa já estabeleceu sua posição no mercado e está pronta para acelerar seu crescimento. Nessa etapa, a marca já tem um produto bem definido e uma base de clientes fiéis. Então, a series B geralmente serve para expandir a equipe, desenvolver novos produtos, adquirir outras startups e ampliar a presença da empresa em novos mercados – outros estados, outras regiões e até outros países, dependendo do modelo de negócio.

Os investidores que participam do aporte series B geralmente têm expectativas mais altas de retorno em relação aos investidores envolvidos na series A, uma vez que a startup já está mais estabelecida. Além disso, o nível de risco é um pouco menor, tendo em vista que a companhia já passou por uma fase de validação de crescimento. Logo, são expectativas diferentes.

Dicas para atrair investidores

A principal dica para startups que buscam investidores é fazer o dever de casa, ou seja, cumprir obrigações fundamentais. Antes mesmo de buscar investimentos, é importante que a equipe fundadora tenha um plano de negócios bem definido. Assim, é fundamental ter visão de mercado, compreender o problema que está buscando resolver, deixar claro como a sua proposta de solução se diferencia das outras que já existem e analisar a concorrência. Também é necessário que a startup tenha uma equipe com profissionais qualificados, engajados e complementares para que o negócio deslanche, gerando resultados consistentes.

Quando tudo isso estiver sólido, será mais fácil buscar recursos de maneira estratégica, identificando os investidores e quais deles poderiam agregar valor além do capital. É preciso lembrar que o processo de captação de investimentos pode ser longo, leva pelo menos seis meses. Mas com uma base estruturada e uma estratégia bem definida, as chances de sucesso são boas.

Para os empreendimentos que já receberam financiamento, existem algumas recomendações a serem consideradas. Primeiro de tudo: avalie com precisão a real necessidade de capital. Na maioria dos casos, a escadinha da trilha de investimentos da startup é seguir por rodadas subsequentes, mas antes de buscar aporte é importante avaliar cuidadosamente as necessidades do seu negócio. É possível analisar outras possibilidades de financiamento, como empréstimo e parceria estratégica, que possam ser mais adequadas para o momento atual.

Outro ponto de atenção é que os empreendedores precisam apresentar resultados para os investidores. Tanto para os que já investiram como para os que estão em busca de fazer novos aportes. Por isso, é importante que a startup apresente o histórico de crescimento e as métricas positivas, para que o investidor saiba o que foi bem-sucedido e se mostre disponível para fazer aportes subsequentes. Por fim, esteja sempre aberto para feedbacks e parcerias. Além do investimento, é essencial não desperdiçar possibilidades de apoios comerciais ou algo que possa alavancar o crescimento da sua marca.


*Por Diogo Catão, CEO da Dome Ventures, uma Corporate Venture Builder GovTech que nasceu com o propósito de transformar o futuro das instituições públicas no Brasil.

Últimas Notícias

Notícias Relacionadas