quarta-feira, fevereiro 21, 2024
quarta-feira, fevereiro 21, 2024

Sufotur

Mercado livre de energia ganhou mais de 1,4 mil pontos de consumo no 1T23

O mercado livre de energia ganhou mais de 1,4 mil novas unidades consumidoras no primeiro trimestre de 2023, volume que representa um crescimento de 30% na comparação com o mesmo período do ano passado, segundo levantamento da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica – CCEE.

Nesse segmento os consumidores podem negociar energia direto com um gerador ou comercializador, vantagem que pode garantir um fornecimento mais barato e personalizado, com cargas sob demanda e fontes específicas. Considerando o avanço observado no ano, o mercado já agrupa mais de 32 mil pontos de consumo e representa 37% da demanda total de energia elétrica do Brasil.

A maior parte dos novos pontos de consumo do primeiro trimestre, cerca de 850, está na categoria Especial, que dá aos agentes o direito de escolher fontes incentivadas, como eólica, solar, biomassa e pequenas centrais hidrelétricas. O restante está na faixa Livre, que pode negociar com qualquer tipo de fonte.

Na avaliação por ramos de atividade econômica, a maioria das unidades de consumo do mercado livre está distribuída entre os setores de comércio, serviços e alimentos. Já no levantamento regional, os pontos estão mais concentrados em São Paulo (10 mil), Rio Grande do Sul (3 mil) e Minas Gerais (2,9 mil).

Ampliação do mercado livre

A CCEE tem contribuído ativamente para a abertura do mercado livre para mais consumidores, com contribuições junto ao Ministério de Minas e Energia – MME e a Agência Nacional de Energia Elétrica – ANEEL. O objetivo é garantir que o processo seja sustentável, contínuo e previsível.

No entendimento da organização, essa transformação deve ser acompanhada por aprimoramentos regulatórios e pelo fortalecimento da figura do comercializador varejista, que será o responsável por representar os consumidores no dia a dia da comercialização de energia.

Em setembro de 2022 o MME publicou a Portaria 50/2022, que permite que todos os consumidores ligados na alta tensão, como indústrias e médias empresas, possam operar no mercado livre a partir de 2024. A pasta também abriu uma Consulta Pública para contribuições do mercado com relação ao cronograma de abertura para residências, pequenas empresas, unidades rurais e do serviço público.

CCEE

Associação civil sem fins lucrativos responsável por tornar possível a compra e a venda de eletricidade no país e garantir que esse insumo essencial chegue à população e aos setores produtivos. Desde 1999, reúne geradores, distribuidores, comercializadores e consumidores em um único propósito: desenvolver mercados eficientes, inovadores e sustentáveis em benefício da sociedade. Em suas operações, que envolvem tanto o ambiente de contratação livre como o regulado, liquida anualmente mais de R$ 150 bilhões.

Últimas Notícias

Notícias Relacionadas