A região Centro-oeste do Brasil registrou 21 fusões e aquisições no primeiro trimestre de 2022, um aumento de 110% na comparação com o mesmo período do ano anterior, quando foram registradas 10 transações. O número das operações no Centro-oeste corresponde a 3,8% das 553 transações realizadas no primeiro trimestre de 2022 no Brasil. São Paulo lidera nacionalmente, com 381 transações, atingindo 69% do total nacional.

Os dados constam na pesquisa da KPMG realizada trimestralmente sobre fusões e aquisições. Segundo o conteúdo, de janeiro a março de 2022, foram realizadas as seguintes operações nos seguintes Estados: Mato Grosso (4), Mato Grosso do Sul (5), Goiás (6) e Distrito Federal (6). Em 2021, a região Centro-oeste teve 47 negócios concretizados ao longo do ano.

“Até 2021 o protagonismo do Distrito Federal era evidente, mesmo diante dos efeitos da crise sanitária na economia brasileira. Porém, os números mais atuais evidenciam que a região centro-oeste apresenta operações de fusões e aquisições de forma mais distribuída entre as Unidades Federativas. A alta expressiva de operações desse tipo também mostra que a região está alinhada com o crescimento registrado no País. Esse indicador pode estar alinhado com o fortalecimento da economia e dos negócios na região”, afirma o sócio de Mercados Regionais da KPMG no Brasil, Ray Souza.

A pesquisa da KPMG, realizada com empresas de 43 setores da economia brasileira, também revelou que o número de fusões e aquisições no primeiro trimestre deste ano aumentou quase 50% em relação ao mesmo período do ano passado. De janeiro a março de 2022 foram 553, contra 375 negociadas em 2021. Em todo o ano passado, foram realizadas 1.963 operações. “A pesquisa mostra que os processos de fusões e aquisições de empresas brasileiras continuam bastante aquecidos tanto para transações domésticas como para transações de empresas estrangeiras fazendo aquisições no Brasil. Esses números são bastante animadores para o ano apesar dos desafios que ainda se apresentam no contexto econômico local e internacional”, analisa o sócio da KPMG, Luis Motta.

Sobre os setores que mais fizeram transações, empresas de internet continuam liderando com 242, seguidas por tecnologia da informação com 83, e prestadoras de serviços com 35. Outros segmentos que se destacaram foram instituições financeiras com 26, telecomunicação e mídia com 20, educação com 19, hospitais e clínicas com 16, seguros com 13, e transporte com 12.

KPMG

Rede global de firmas independentes que prestam serviços profissionais de Audit, Tax e Advisory. Estamos presentes em 154 países e territórios, com 200 mil profissionais atuando em firmas-membro em todo o mundo. No Brasil, são aproximadamente quatro mil profissionais, distribuídos em 22 cidades localizadas em 13 Estados e Distrito Federal.

Orientada pelo seu propósito de empoderar a mudança, a KPMG tornou-se uma empresa referência no segmento em que atua. Compartilhamos valor e inspiramos confiança no mercado de capitais e nas comunidades há mais de 100 anos, transformando pessoas e empresas e gerando impactos positivos que contribuem para a realização de mudanças sustentáveis em nossos clientes, governos e sociedade civil.