Se dentro dos gramados os times de futebol nem sempre conquistam boas vitórias, fora do campo muitos têm motivos de sobra para comemorações. A receita total das 25 principais equipes brasileiras, em 2021, foi de R$ 7,1 bilhões, 35% a mais em comparação ao ano anterior. Nos últimos nove anos, a evolução da receita total real foi de 76%.

Os números fazem parte do estudo Levantamento Financeiro dos Clubes Brasileiros 2021, elaborado pela EY. O objetivo foi apresentar o cenário econômico dos clubes brasileiros no ano em que a pandemia de Covid-19 começou a ceder de maneira efetiva, resultando em um cenário macroeconômico um pouco mais favorável. Entre as principais fontes de receitas estão os direitos de transmissão, transferências de jogadores, matchday (receitas com ingressos nos dias de jogos) e comerciais (patrocínios, royalties de produtos licenciados e outros).

Os times analisados estão espalhados por todo o país e disputam os principais campeonatos nacionais e estaduais. A lista é a seguinte: América-MG, Atlético, Atlético-GO, Atlético-MG, Avaí, Bahia, Botafogo, Ceará, Corinthians, Coritiba, Cuiabá, Cruzeiro, Flamengo, Fluminense, Fortaleza, Goiás, Grêmio, Internacional, Palmeiras, Ponte Preta, Santos, São Paulo, Sport, Vasco e Vitória.

A EY desenvolveu as análises apresentadas a partir das demonstrações financeiras disponibilizadas pelas agremiações esportivas em seus sites e não foi emitida opinião ou parecer sobre as demonstrações financeiras divulgadas. Segundo a consultoria, para elaboração do estudo foi desenvolvida uma ferramenta própria, a Sports Analytics, que contempla uma base de dados financeiros públicos dos clubes do futebol brasileiro e da Europa.

De acordo com os dados levantados, as cinco maiores receitas totais no ano passado foram do Flamengo, Palmeiras, Corinthians, Grêmio e Atlético Mineiro. Juntos, eles responderam por cerca de 50% do montante arrecadado pelos 25 times. O Flamengo apresentou a maior receita total – R$ 1,08 bilhão – faturando R$ 172 milhões a mais que o Palmeiras, segundo colocado. A diferença entre a receita do Flamengo (maior receita da série A em 2021) para o Cuiabá (menor receita da série A em 2021) foi de aproximadamente 15 vezes, segundo a análise da EY.

O endividamento total também caiu. A soma das dívidas líquidas dos clubes em 2021 era de R$ 10,1 bilhões, 8% a menos em relação a 2020. Os times mais endividados foram o Atlético-MG (R$ 1,3 bilhões), Cruzeiro (R$ 1 bilhão), Corinthians (R$ 928 milhões), Botafogo (R$ 863 milhões), Vasco (R$ 710 milhões), Fluminense, São Paulo e Internacional, todos com valores superiores a R$ 600 milhões. “Alguns clubes apresentaram redução do valor de endividamento, como Palmeiras, Santos e Flamengo. Este último reduziu em R$ 354 milhões de reais seu saldo de endividamento, cerca de 48% a menos que no ano anterior”, ressalta o estudo.

Fonte: Agência EY